Você é resiliente ou plástico? Entenda a diferença

Resiliência X Plasticidade

Você já deve ter ouvido bastante sobre resiliência, principalmente nesse período de crise econômica. Você sabia que a resiliência é um ramo de estudo na Física? E o termo plasticidade, você conhece? Hoje, vamos discutir sobre esses dois conceitos utilizados na Física, entendendo a principal diferença entre eles e reconhecendo um deles como uma habilidade importantíssima para se diferenciar no mercado de trabalho (e na vida).

Entendendo a Resiliência de uma vez por todas

O termo resiliência foi originado do latim RESILIRE, formado por RE-, “de novo, outra vez”, mais SALIRE, “saltar”, significando “saltar de volta”. O dicionário define a resiliência, por meio do seu uso na Física – “propriedade de um corpo de recuperar a sua forma original após sofrer choque ou deformação”; e no sentido figurado define como a “capacidade de superar, de se recuperar de adversidades”.

Esse sentido figurado da palavra resiliência foi incorporado à língua portuguesa, por meio de uma tradução de RESILIENCE, termo usado com essa perspectiva de superação de adversidades pelos ingleses desde o século XVII.

Trazendo a reflexão da habilidade de ser resiliente no mercado de trabalho, entendemos que as empresas buscam profissionais que:

  • suportem e saibam agir em momentos de pressão;

  • sejam eficientes com prazos apertados;

  • saibam administrar crises;

  • lidem com situações estressantes de maneira adequada;

  • superem as adversidades, com soluções práticas e rápidas.

Bom, até agora, todo mundo deve ter identificado a resiliência como uma habilidade importante para todo profissional. Mas eu não me conformo com a ideia principal da resiliência que é a de se recuperar das adversidades, voltando para o seu estado anterior. É aí que entra a problematização do conceito de resiliência.

Você é um profissional elástico?

A resiliência traz da Física a ideia de elasticidade – tendência dos corpos para retomarem o seu estado primitivo, após uma tensão que os modificou. Considerando esse conceito, os profissionais resilientes são os profissionais elásticos, que possuem a capacidade de passar por situações adversas, de estresse e de pressão e, ao superá-las, retornam ao seu estado anterior.

Como escrevi no artigo Essa animação pode te ajudar a encarar a demissão, acredito que devemos olhar as adversidades como um mar de possibilidades que nos trazem a oportunidade de nos reconhecermos, de repensar o nosso caminho daquele ponto adiante e, principalmente, as dificuldades trazem a chance de mudarmos.

Mudar é preciso

Mudar. É nessa ação que concentro o verdadeiro potencial de um profissional do século XXI. Entretanto, ser resilientes nos permite superar as adversidades, mas não necessariamente, provoca mudanças. Após os contratempos, volta-se ao estado inicial, como tudo começou. E após uma superação, surge outra situação desfavorável e depois outra… E entramos num ciclo de solucionar problemas em prazos curtos e em ambientes estressantes, onde as causas das dificuldades não são sanadas, porque não houve mudanças significativas após as contrariedades.

Como descrevi no meu último artigo, uma das habilidades que diferencia o profissional é a de solucionar problemas complexos, identificando e analisando as diversas variáveis e suas interseções atuantes sobre um determinado problema. Isso só é possível quando o profissional possui a capacidade de se adaptar e mudar em situações e experiências novas. E para essa capacidade, temos um conceito: a PLASTICIDADE.

Plasticidade – a habilidade do século XXI

A palavra plasticidade vem do grego PLASTIKOS, “capaz de ser moldado”. É o ramo da Física que estuda o comportamento dos materiais que se deformam permanentemente após uma tensão aplicada para superar um determinado limite.

A plasticidade cerebral é um dos melhores exemplos para ilustrar esse conceito. Refere-se à capacidade que o cérebro tem de se remodelar a partir das experiências do indivíduo, reformulando as suas conexões em função das necessidades e dos fatores do meio ambiente.

Como podemos ver, tanto a resiliência (elasticidade) como a plasticidade trazem a ideia de adversidade, mas se diferenciam pelo fato de uma pessoa resiliente voltar ao seu estado anterior e uma pessoa plástica é capaz de se reconfigurar, conforme as novas necessidades do ambiente, considerando o seu conhecimento prévio e as competências já conquistadas.

Então, tomando emprestado o conceito de plasticidade para aplicarmos no contexto do mercado de trabalho, podemos considerar que um profissional plástico é:

  • estar disposto a mudar-se e a mudar o seu meio;

  • estar conectado com as reais necessidades do problema;

  • ser capaz de encontrar soluções criativas diante das contrariedades;

  • motivador de transformações positivas no ambiente;

  • ter a capacidade de se adaptar a contextos diferentes;

  • sair da zona de conforto quantas vezes for necessário;

  • superar os próprios limites;

  • ser aberto a mudanças;

  • identificar as inúmeras possibilidades para resolver um problema.

Após essa provocação, como você se considera: resiliente ou plástico?


Fontes e referências:

A Resiliência e a Plasticidade – Endeavor

Plasticidade do Cérebro

Plasticidade – Wikipedia

Origem Da Palavra

2 Responses

  1. Gabriel Bexiga
    Reply
    19 July 2017 at 7:48 pm

    Perfeito, Carlos Heitor. Muito bom! Todos deveriam ler e entender como é a resiliência “na prática”. Bela aula. Meus parabéns!

    • Carlos Heitor
      19 July 2017 at 8:05 pm

      Obrigado pelo feedback, Gabriel! Acho interessante essa perspectiva de resiliência para ampliarmos nosso pensamento sobre o que é mudança e o que é transformação (plasticidade). Abraço! 🍀

Leave a Reply